A sociedade do espectáculo

A Sociedade do Espetáculo é uma obra do filósofo francês Guy Debord que retrata a sociedade dos dias modernos.

Ele critica a forma como a sociedade é induzida a preferir a imagem e a teatralidade à própria realidade. Para Debord, essas necessidades induzidas contaminaram a nossa experiência quotidiana, levando-nos a negar quem realmente somos, os nossos verdadeiros valores e as nossas próprias vivências. A sociedade virou uma concentração de espetáculos individuais e coletivos onde tudo é vivido em representação perante os outros. Partilhar estados, imagens, "gostos" nas mais diversas plataformas online, como o Facebook, Tweet, Instagram são os novos palcos da atualidade e as plateias moldaram-se onde a encenação virou necessidade. Ele afirma que a nossa sociedade está submersa pelas orientações das necessidades dos outros e não pelos nossos próprios valores.

Debord compreendia que a verdadeira união das relações pessoais foi substituída por uma identificação passiva com a posição de espectatores recíprocos, isto é, alimentam-se de interesses mutúos onde o narcisismo e a necessidade de aceitação são constantes. As pessoas tornam-se intimamente mais inseguras, e portanto mais fragilizadas e a partir dessas fraquezas, as tornava mais influencíaveis e facilmente manobráveis. Com todas estas intermediações nas relações entre a imagem e a necessidade de moldar os sentimentos, as pessoas renunciam qualquer tentativa de reconhecer e compreender os aspectos difíceis e desafiadores das verdadeiras relações humanas.

O livro é gratuito e podem fazer o download aqui: A Sociedade do Espectáculo