Terapia Narrativa - Qual é a sua história?

A resposta para esta pergunta pode levar a um milhão de formas diferentes, e a história que dirá, provavelmente será contada de maneira diferente dependendo de quem está a perguntar, do seu humor, do ambiente em que está inserido, etc.

Usamos histórias constantemente - para informar, para unir-nos com os outros, para partilhar os nossos sentimentos e as experiências, e até mesmo para resolver os nossos próprios pensamentos e sentimentos. As histórias são usadas para organizar os pensamentos, encontrar significados e propósitos e estabelecer o nosso senso de identidade neste mundo confuso que às vezes pode ser bastante solitário.

A terapia narrativa organiza as nossas tendências históricas para proporcionar-nos oportunidades de crescimento e desenvolvimento, maneiras de encontrar o significado e um caminho para uma melhor compreensão de nós próprios.

Se é a primeira vez que ouve a falar da terapia narrativa, não se preocupe, não está sozinho!

Esta terapia é um método mais específico e menos comum de orientar os clientes para a cura e desenvolvimento pessoal e é tudo sobre as histórias e experiência reais que contamos.

A terapia narrativa é uma forma de terapia que visa separar o indivíduo do problema, permitindo que o indivíduo externalize os seus problemas ao invés de internalizá-los. Baseia-se nas próprias qualidades e no sentido de propósito do indivíduo para orientá-los e potência-los nos tempos mais difíceis ("Narrative Therapy", 2017).

Esta forma de terapia foi desenvolvida nos anos 80 por Michael White e David Epston, dois terapeutas da Nova Zelândia ("About Narrative Therapy"). Eles acreditavam que separar uma pessoa do seu comportamento problemático ou destrutivo era uma parte vital do tratamento ("Michael White", 2015). Por exemplo, quando tratamos alguém que fugiu da lei, eles encorajariam o indivíduo a ver-se como uma pessoa que cometeu erros e não como um criminoso. White e Epston estabeleceram esse novo modelo terapêutico em três idéias principais.

1. A terapia narrativa é respeitosa. Esta terapia respeita o carácter e a dignidade de cada cliente. Exige que cada cliente seja tratado como um indivíduo que não seja deficiente, nem defeituoso, nem que seja "suficiente" de qualquer maneira. Os indivíduos que envolvem-se nesta terapia narrativa são pessoas corajosas que reconhecem que há questões que eles gostariam de abordar nas suas vidas. 

2. A terapia narrativa não é culpada Nesta forma de terapia, os clientes nunca são responsabilizados pelos seus problemas e são encorajados a não culpar ninguém também. Problemas emergentes na vida de todos devido a uma variedade de fatores, e na terapia narrativa, não tem como atribuir culpa a ninguém. A terapia narrativa separa as pessoas dos seus problemas, observando-os como indivíduos inteiros e funcionais que se envolvem em padrões de pensamento ou comportamento que eles gostariam de mudar. 

3. A terapia narrativa vê o cliente como o especialista. Finalmente, na terapia narrativa, o terapeuta não ocupa um espaço social ou acadêmico superior ao do cliente. Nessas relações terapêuticas, entende-se que o cliente é o especialista da sua própria vida, e espera-se que ambas as partes adotem esse entendimento. Somente o cliente conhece sua própria vida intimamente, e somente o cliente possui habilidades e conhecimentos necessários para mudar o seu comportamento e abordar os seus problemas (Morgan, 2000). Estas três idéias, fundamentam a relação terapêutica e a função da terapia narrativa. O processo terapêutico é construído com essa compreensão e envolve a tomada de uma perspectiva que pode parecer estrangeira: colocando uma separação firme entre as pessoas e os problemas que estão a ter. 

Conceitos-chave e abordagem:

"O problema é o problema, a pessoa não é o problema." - Michael White e David Epston 

Fazer esta diferenciação entre um indivíduo com problemas e um indivíduo problemático é importante na terapia narrativa. White e Epston conceituaram que o registo de uma auto-identidade prejudicial ou adversa poderia ter profundos impactos negativos na funcionalidade e qualidade de vida de uma pessoa.

Para este fim, existem alguns dos principais temas ou princípios da terapia narrativa:

A realidade é socialmente construída, o que significa que nossas interações e o diálogo com outras pessoas afetam o modo como experimentamos a realidade. A realidade é influenciada e comunicada através da linguagem, o que sugere que as pessoas que falam línguas diferentes podem ter interpretações radicalmente diferentes das mesmas experiências. Ter uma narrativa que pode ser entendida ajuda-nos a organizar e manter a nossa realidade. Por outras palavras, histórias e narrativas ajudam-nos a entender as nossas experiências. Não há "realidade objetiva" ou verdade absoluta, o que significa que o que é verdadeiro para nós pode não ser o mesmo para outra pessoa, ou mesmo para nós mesmos noutro ponto no tempo (Standish, 2013). 

Conceitos-chave da terapia narrativa: 

Estes princípios enquadram-se na escola de pensamento pós-modernista, que vê a realidade como um conceito mutante, mutável e profundamente pessoal. No pós-modernismo, não há verdade objetiva - a verdade é o que cada um de nós faz, influenciado por normas e ideias sociais. Esta idéia de fazer a nossa própria verdade e contar as nossas próprias histórias para dar sentido ao mundo é uma excelente opção para a terapia narrativa. A premissa principal por trás desta terapia é que o indivíduo é separado dos seus problemas, e acredita-se que essa distância permite que os indivíduos apliquem as habilidades aprendidas na terapia narrativa para resolvê-las. É incrível e facil resolver ou negar um problema quando ninguém vê o problema como parte integrante de quem é. 


Partilhe a sua história e as suas experiências e valorize o que de melhor tem para oferecer.